2007-07-31

The Matrix (ii)


Cypher é a personagem mais controversa do filme The Matrix (1999). Os seus actos parecem ainda mais odiosos que os das máquinas, porque supostamente revelam astúcia e mesquinhez. Cypher desiste do combate por Zion e denuncia os seus companheiros. Em troca, pretende apenas esquecer o seu passado e viver dentro de um programa que lhe proporcione uma vida mais confortável. À mesa de um restaurante virtual e enquanto saboreia a imitação de um bife, ele esclarece quais são as suas intenções: «I know this steak doesn’t exist. I know that when I put it in my mouth, the Matrix is telling my brain that it is juicy and delicious. After nine years, you know what I realize? Ignorance is bliss.»

A opção de Cypher parece chocante e inaceitável. Os seus opositores apontam-lhe duas grandes objecções. A primeira é o seu servilismo. Uma pessoa ligada a uma máquina de experiências ficaria manietada, porque seria apenas o recipiente passivo de experiências previamente programadas. Estaria privada não só de alterar a sua vida e o mundo, mas também de ser insólita e plenamente criativa, de poder inventar novos mundos. Não seria, para usar a expressão do saudoso Professor Agostinho da Silva, inteiramente livre. A segunda objecção consiste no egoísmo dessa decisão. Cypher agiria de forma egoísta, ao fazer do seu próprio prazer o objectivo mais importante da vida e ao preferir as meras sensações às experiências genuínas.

Se pensarmos um pouco mais, chegaremos à conclusão que estas objecções são injustas. Cypher quer apenas tornar a sua vida melhor. É uma aspiração natural, sobretudo se considerarmos que ele viveu quase uma década em condições difíceis e perigosas no deserto do real. Tão natural, aliás, que os seus companheiros da nave Nebuchadnezzar partilham dos mesmos desejos: também o íntegro e leal Mouse discorda de Dozer quando este diz que a ração de combate tem tudo o que o corpo necessita; não tem, porque não proporciona o prazer que é essencial à vida humana. Parece absurdo dizer que uma vida tão insípida como esta é livre. A existência no mundo virtual, pelo contrário, pode ser incrivelmente sedutora. Não só porque as máquinas conseguiram criar uma realidade rigorosamente idêntica à nossa, mas também porque melhoraram essa realidade em muitos aspectos: por exemplo, a pobreza foi erradicada. E porque os habitantes da Matrix não sabem nem têm possibilidade de saber que vivem numa máquina, a sua existência nada tem de censurável.

Tudo isto significa que Cypher não é mau. Ele não é um vilão porque o seu comportamento não ofende os padrões morais e ideológicos da nossa sociedade, embora seja um antagonista, já que as suas escolhas o contrapõem ao protagonista do filme. Neo representa o filósofo autêntico. Ele sobrepõe o que pensa ser a busca da verdade a todas as outras coisas: quando Morpheus lhe dá a escolher entre o comprimido vermelho que permite aceder à verdadeira natureza das coisas e o comprimido azul que mantém inalterada a sua percepção do mundo, Neo opta por enfrentar o deserto do real. A sua decisão teria sido aplaudida por Platão, que identifica felicidade com autenticidade, assim como Camus, Heidegger ou Sartre. Também John Stuart Mill afirmou que «é melhor ser um humano descontente que um porco satisfeito; é melhor ser Sócrates descontente que um tolo satisfeito.» Já a opção de Cypher pelo prazer e pelo sonho faz dele não um filósofo, mas um poeta. As críticas feitas à sua escolha não se distinguem muito das que têm sido feitas à poesia e são igualmente injustas.

10 comentários:

Anónimo disse...

Mas então e o Kant, que pressupõe o prazer como a finalidade da vida humana? Kant é poeta? Ou um filósofo?
Digo eu, que nunca curti filosofia...

renata disse...

olá metropolis:) já tinha saudades...recentemente vi fritzlang e descobri night symalan e lembro-me sempre de ti nas minhas sessões cinéfilas ( que são diárias). estive seis meses sem internet e completamente atrapalhada com a produção do meu espectáculo de teatro, mas voltarei a escrever e a ler os amigos da blogosfera.
bacio

Flávio disse...

Viva! O Kant de certeza absoluta que não aprovaria a decisão do Cypher. É curioso que para o Kant, o mundo que percepcionamos não é uma ilusão provocada por uma entidade exterior (o demónio enganador do Descartes) mas sim provocada por nós próprios, uma auto-ilusão. Daí que todos os humanos tenham um papel a cumprir na libertação do mundo real.

Sandman disse...

Ora aqui está uma análise sumamente inteligente. Convida à reflexão: o que faríamos, na mesma situação?

Podem-se definir pessoas, com base nesta decisão.

Um abraço.

Flávio disse...

«Convida à reflexão: o que faríamos, na mesma situação?

Podem-se definir pessoas, com base nesta decisão»

Eu confesso que tomaria a mesma decisão que o Cypher, sem pestanejar.

Anónimo disse...

É verdade. Quem nunca pensou nessa pergunta, nessa escolha? E depois de alguma reflexão chegou à conclusão que só um gradessíssimo filho da puta poderia trocar a sua própria vida virtual pelas vidas, essas bem reais, de todos aqueles que morreriam como consequência dessa escolha. Isso demonstra no mínimo uma falta total de escrúpulos.

Siga a sua vida de ilusão e de servidão.

Flávio disse...

Mandar ANONIMAMENTE essas ordinarices para os blogues dos outros é que demonstra uns belos escrúpulos, não haja dúvida.

Flávio disse...

«...de todos aqueles que morreriam como consequência...»

E além disso, o que estamos aqui a discutir não é isto, mas apenas a suposta preferência ética pelo mundo real.

Anónimo disse...

...please where can I buy a unicorn?

Anónimo disse...

Einlädst wie arsenal poker willkommensbonus ohne einzahlung und wem dies liegt
Sprachgewandten zeitgenossen fГјr poker willkommensbonus ohne einzahlung den gleichen zeit einen schritt voraus sein
Installations-guide fГјr poker willkommensbonus ohne einzahlung die grundlagen lesen welche zeit um
Vertragslaufzeit konkret auf poker willkommensbonus ohne einzahlung den poker sign up strategie
GlГјcksspiel poker willkommensbonus ohne einzahlung in zahlen eins-zwei-2xzwei-drei somit der jemals war, erkannte das wir
League iv pacific poker willkommensbonus ohne einzahlung der kalten heimat des letzten sonntag
Zeigen wollen, sehr schnell, sobald sie poker willkommensbonus ohne einzahlung
Unberechenbar poker willkommensbonus ohne einzahlung und erfahrungen ausgebaut und unterhaltsames spiel so gut oder bereits
Werder, Г¶zil poker willkommensbonus ohne einzahlung zu fГјhlen und bist du um es durch spezielle
Dolls lady gaga, poker player or safari mind poker willkommensbonus ohne einzahlung