2005-08-19

Resistir!

A Segunda Guerra Mundial trouxe ao de cima aquilo que os seres humanos têm de pior e de melhor. Sim, é verdade que morreram estupidamente 50 milhões de pessoas, mas muitas outras sobreviveram e tinham histórias extraordinárias de coragem e generosidade para contar. A solidariedade foi, nesses anos complicados, uma força de resistência. No interior dos campos de concentração, ela exprimia-se em múltiplos aspectos: desde o sapateiro que reparava o calçado em segredo, do responsável clandestino que levantava o moral e a esperança, ao padre que, secretamente, concedia aos crentes as últimas consolações da fé. Fora dos campos, havia muita gente que lutava por salvar os seus semelhantes desse destino terrível: pessoas como Raoul Wallenberg ou o nosso Aristides de Sousa Mendes ascenderam do anonimato ao estatuto de heróis da Humanidade. A estes actos individuais de altruísmo, juntaram-se os exemplos colectivos de países como a Bulgária, a Finlândia e a Dinamarca que, contra tudo e contra todos, ousaram resistir à demência generalizada.

A Bulgária é um caso notável de resistência. Os seus 50.000 judeus nativos conseguiram sobreviver à guerra, apesar das pressões constantes de Hitler para que fossem deportados. É verdade que em Janeiro de 1941, foram aprovadas algumas leis anti-semitas, mas a sua aplicação esteve longe de ser eficaz. O próprio embaixador alemão em Sofia foi forçado a reconhecer, numa carta endereçada em Junho de 1943 ao seu Ministério, que não havia nada a fazer: «a pressão sobre a Bulgária para que entregue os seus judeus é inútil, porque os búlgaros não partilham das ideias e convicções prevalecentes na Alemanha a propósito dos judeus. Os búlgaros acostumaram-se ao longo de séculos a viver harmoniosamente com as suas minorias de turcos, judeus, arménios, etc., simplesmente porque não existem características distintivas que os separem, ao contrário do que sucede noutros países.»

A pequena Dinamarca, apesar de ter sido ocupada pelos nazis em Abril de 1940, foi outro bastião de inconformismo. A sua comunidade judaica era não só pequena, relativamente homogénea e plenamente integrada, como também teve a felicidade de viver num país de gente lúcida e civilizada. O anti-semitismo nunca foi significativo entre os dinamarqueses, que nos anos da guerra vieram a sabotar sistematicamente os planos nazis: um motorista de ambulância, que sabia que uma captura de judeus estava iminente, escondeu muitos deles num hospital, onde sabia que estariam em segurança; um médico deu tranquilizantes às crianças para que dormissem enquanto eram transportadas para um lugar seguro em barcos de pesca, através de um canal de quase um quilómetro de extensão; e um encadernador, que salvou numerosos fugitivos em barcos de pesca, acabou por ser detido e torturado pelos nazis, mas nunca revelou nada. Curiosamente, estes e outros actos de solidariedade parecem ter contagiado os próprios dirigentes nazis da Dinamarca, que acabaram por colaborar com as acções de salvamento.

A Finlândia, que nem sequer quis discutir a possibilidade de deportar os seus 2000 judeus, foi mais um país que demonstrou que a resistência era possível. Ironicamente, os nazis encontraram as maiores resistências à sua Solução Final da parte dos povos escandinavos, que eram vistos como os seus «irmãos de sangue». A generalidade dos povos nórdicos opôs-se ao anti-semitismo hitleriano, enquanto que muitos dos chamados Untermenschen da Europa do Leste, desprezados pelos nazis, foram cúmplices solícitos quando chegou a hora de denunciar e deportar os judeus.

Resta saber o que é que motivou o heroísmo desses países e indivíduos. É difícil encontrar uma resposta, até porque estamos perante pessoas das mais diversas proveniências sociais e culturais. Jovens, velhos, ricos e pobres, estes heróis representavam uma tal amostragem da população da Europa, que não podiam ser previstos por nenhum indicador utilizado pela sociologia. Ainda para mais, eles apresentavam as mais diversas justificações para os seus actos: muitos eram movidos pelos laços pessoais com os judeus perseguidos, enquanto que outros foram incentivados por grupos e exemplos morais de outros resistentes. Quando perguntaram a um casal o motivo de terem escondido tantos judeus, a mulher respondeu: «Era como ver a casa do vizinho pegando fogo. Você procura imediatamente ajudá-los». Qualquer que seja a razão das suas acções, o importante é que as tenham realizado. Com isso, salvaram não só milhares de pessoas inocentes, mas também – conforme nos ensina a lenda judaica dos Lamed-waf – a Humanidade inteira. A million dollar question é: será que nós também teríamos tido a coragem de fazer o mesmo?

8 comentários:

o velho disse...

Há quanto tempo esperava por um post como este... Muito bem! A questão que colocas é difícil. Se por um lado estaríamos a praticar um acto louvável, por outro estaríamos a arriscar-nos a torturas horríveis ou mesmo à morte. Cabe a cada um mergulhar na sua consciência e decidir se é capaz de abdicar da sua vida pela vida de outras pessoas. Quando se fala na segunda guerra mundial vem logo à memória a imagem dos milhões de judeus vítimas da barbárie nazi, no entanto os alemães não são os únicos maus da fita nesta triste página da História, visto que os americanos também cometeram uma grande atrocidade quando lançaram as bombas atómicas e foram os responsáveis pela morte de milhares de pessoas em Hiroshima e Nagasaki. Fiquei surpreendida por saberes da história de um homem que a própria História tantas vezes se esquece: Aristides de Sousa Mendes, o consul português em Bordéus que salvou milhares de judeus ao passar-lhes vistos para conseguirem chegar a Portugal, isto em pleno regime salazarista.
Cumprimentos, Isabel Fernandes

Anónimo disse...

Texto superior, muito bem elaborado, claro e conciso...e sobretudo pertinente nos dias que correm.Parabens!FELIZMENTE que existem madeirenses inteligentes!!!
Valeria , do blog:
fadista-valeria-mendez.weblog.com.pt

lpf disse...

Pelo que tenho visto nesta nossa sociedade todos diriam que o seriam e ate condenariam aqueles que tal nao o dissessem... mas no materialismo real, no confronto com a realidade e com o individualismo crescente, no ignorar das dificuldades do proximo... agora, mais que no passado, creio que ninguem faria nada.

Este texto fez-me lembrar o filme Dogville de Lars von Trier... nem sei bem porque

Milan disse...

Lindo texto Flávio...

Flávio disse...

Le Petit Fred, falas no egoísmo e no individualismo e tens razão. Mas há um dado que vem complicar um pouco a questão: é que muitos destes heróis da Segunda Guerra eram pais e mães de família que arriscaram tudo - inclusive a segurança dos filhos - para salvar gente. Sempre que as SS deitavam a mão a um resistente destes, as suas famílias pagavam por tabela. Por isso, se calhar a questão não é apenas de egoísmo ou individualismo, é um pouco mais complicado que isso. Será que poupar a segurança de um filho para não salvar um desconhecido é uma opção condenável? Não sei, mas é seguramente a mais difícil.

Micas10 disse...

A grande homenagem a Angelina e Aristides de Sousa Mendes seria criar um museu na sua casa em Cabanas de Viriato, onde se pudesse prestar testemunho e estudar os seus grandes actos de consciência e de altruismo.
Se fosse fácil, todos seriamos herois
http://antoniopovinho.blogspot.com/2005/10/cabanas-de-viriato-e-casa-do-passal.html

Anónimo disse...

Where did you find it? Interesting read »

Anónimo disse...

Best regards from NY! internet advertising The role of accounting mangement in relevant circumstances Patanol ophth solution Henry ford clinic haigh taylor part time jobs philadelphia buick grand Wellbutrin birth defect full color business cards Andre instant wax hair remover strips Planning retirement taylor Effectscom link phentermine