2005-02-25

Sala de Pânico

O thriller Sala de Pânico (2002), do excelente David Fincher, pertence àquela categoria pouco abonatória de obras cinematográficas que François Truffaut baptizou como «grandes filmes doentes»: obras-primas abortadas, empresas ambiciosas que sofrem erros de percurso graves. No caso de Sala de Pânico, o mal esteve sobretudo no argumento de David Koepp, mas algumas medidas profiláticas muito simples poderiam ter evitado a dita doença ou, pelo menos, aliviado os seus sintomas. Uma primeira possibilidade, não explorada, seria levar ainda mais além a unidade de lugar: porque não situar os dois primeiros actos exclusivamente no interior da sala blindada? A opção é arrojada, mas resultaria em mais emoção, mais suspense e mais empatia com as duas heroínas aprisionadas. As aselhices do guionista prosseguiram com os três vilões ineptos e trapalhões, que dificilmente poderiam constituir uma ameaça credível. Finalmente, fundamentar o divórcio de Jodie Foster na infidelidade do marido (em vez da sempre pertinente violência doméstica) foi outro erro, pois fez da protagonista uma mulher neurótica e pueril e indigna de encabeçar um filme de Fincher.

3 comentários:

gonn1000 disse...

Realmente desilude, tendo em conta filmes excelentes como "Fight Club"...

Flávio disse...

Disseste muito bem, Gonn1000: uma desilusão. Mas estou aqui a pensar se essas aparentes falhas de que falei não serão intencionais e se não haverá mais neste filme do que parece à primeira vista. Acho incrível que um argumentista tão talentoso como o Koepp não tenha dado por elas. Um grande abraço!

Anónimo disse...

Excellent, love it! hair removal Site templates website templates sitefantastic com Collectible patents Smokers roulette game Conferencing and collaboration software portable projector screen Is adderall over the counter ambien sale buy tramadol lesbians 2003 nissan altima mix sound affects