2005-02-14

Bernardo Motta e O Código Da Vinci

O blogonauta Bernardo Motta é um crítico implacável do best seller mundial O Código Da Vinci, de Dan Brown, e explica porquê no sítio O mistério de Rennes-le-Château. O enigma chegou ao conhecimento de Motta na década de 80 e incluía um tesouro, um padre francês excêntrico e uma conspiração política internacional: enfim, um isco mais que apetecível para este devorador de mistérios, que nos oito anos que se seguiram encetou uma grande investigação. Os resultados estão à vista de todos no seu excelente sítio, que se lê de um trago e com imenso proveito. Mas este católico militante não se limitou a investigar, pois aos factos e documentos minuciosamente analisados, juntou também os seus comentários mordazes a respeito das teses dos que apelida de «mistificadores». O sucesso do romance de Dan Brown, inspirado nas ocorrências de Rennes-le-Château, viria a conferir ainda mais pertinência à pesquisa de Bernardo Motta.

O mundo já conhece bem o enredo sinuoso deste Código Da Vinci. O curador Jacques Saunière é assassinado em plena Grande Galeria do Louvre, mas a bala alojada na barriga não o impede de deixar algumas mensagens codificadas. O simbologista Robert Langdon e a criptóloga Sophie Neveu, neta de Saunière, são chamados ao local do crime, mas logo passam de investigadores a principais suspeitos. Porém, o verdadeiro homicida é Silas, um monge ao serviço do bispo Aringarosa da Opus Dei, que consegue escapar incógnito. Na posse das pistas que Saunière deixou com as pinturas de Da Vinci, Sophie e Langdon fogem do museu. O que se segue é uma frenética peregrinação pelos lugares mais misteriosos de França, Inglaterra, Escócia e novamente a França, em busca da linhagem sagrada e secreta de Jesus Cristo e Maria Madalena.

O que dizer destas duas obras, igualmente fascinantes mas inconciliáveis nas conclusões em que aportam? A tentação imediata é afirmar que as críticas de Motta são um pouco injustas, porque este é apenas um produto de entretenimento e que a Dan Brown, como a todos os Autores de ficção, tudo deve ser permitido. Isto é rigorosamente verdadeiro, mas não nos diz grande coisa. Aquilo que realmente nos interessa é distinguir, de entre o vastíssimo manancial de factos referidos neste livro, o joio ficcional do trigo comprovadamente histórico e verdadeiro e, já agora, esclarecer quais serão as verdadeiras intenções do criador de O Código Da Vinci.

Existe, porém, um elemento perturbador, que Motta refere com toda a argúcia, pois Dan Brown precedeu o corpus do seu romance de indicações preambulares que asseguram a autenticidade de algumas figuras do seu romance: o Priorado do Sião, a Opus Dei e as obras de arte mencionadas no livro. A controvérsia está, concretamente, em saber se isto representa uma discreta adesão de Brown ao controverso Priorado e à sua oposição ao Vaticano. Se considerarmos que a existência histórica do Priorado é indesmentível (aliás, existem doações régias que a comprovam), veremos que, afinal de contas, o Autor não merece qualquer crítica e foi suficientemente prudente nas suas afirmações: designadamente, porque não se pronuncia sobre qual o objecto e real influência do Priorado do Sião fundado em 1099 (e em particular, se esteve ou não na origem dos Templários), a ligação entre esta organização e a registada com o mesmo nome em 1956 ou a seriedade dos propósitos do actual Priorado.

A crítica que se segue é a da pretensa aversão do romance ao catolicismo. Numa das passagens mais controversas do livro, Brown escreve: «Durante trezentos anos de caça às bruxas, a Igreja queimara nas fogueiras uns estarrecedores cinco milhões de mulheres. A propaganda e a orgia de sangue tinham resultado. O mundo actual era uma prova viva disso mesmo. As mulheres, outrora celebradas como a metade essencial da iluminação espiritual, tinham sido banidas dos templos de todo o mundo». A verdade, porém, é que O Código Da Vinci não ataca nenhum credo religioso, muito menos o catolicismo. Alguns críticos aproveitaram algumas afirmações do vilão Leigh Teabing, completamente desgarradas e retiradas do seu contexto, e pretenderam ver nelas a afirmação das convicções do próprio Brown, o que é um absurdo completo e intelectualmente desonesto. Se quisermos descortinar as verdadeiras convicções do Autor, deveremos antes atender às palavras do protagonista Robert Langdon, o seu herói e alter-ego, que, por mais de uma vez, se refere aos actuais dirigentes católicos como homens piedosos e íntegros.

Outros críticos, mais moderados, desvalorizam o romance mas denunciam o ataque ao catolicismo que transparece nas entrevistas de Brown. Bernardo Motta, por exemplo, fala das suas propostas revolucionárias para a reforma do cristianismo. Mais uma vez, é um exagero. As entrevistas de Dan Brown são claras, lúcidas e estão acessíveis a todos no seu sítio na Internet.

Será que Brown, não sendo um opositor do catolicismo, é todavia um crítico da Opus Dei? Parecem apontar nesse sentido as suas referências ao cilício, à mortificação corporal (uma «constante recordação dos sofrimentos de Cristo») e à polémica sede bilionária erguida no número 243 da Lexington Avenue, em Nova Iorque. O mesmo se diga das suas personagens, ficcionais mas sinistras, do bispo Aringarosa e do monge albino que vai acumulando cadáveres à sua passagem: antes de ser executada por esse Silas, a corajosa irmã Sandrine Bieil diz-lhe «Jesus tinha apenas uma mensagem verdadeira e não vejo essa mensagem na Opus Dei». Também provocou grande controvérsia a canonização supersónica do seu fundador Josemaría Escrivá, falecido em 1975: a 17 de Maio de 1992, foi beatificado por João Paulo II e proclamado santo dez anos depois, a 6 de Outubro de 2002. Mais uma vez, não há nenhum ataque oculto de Brown, pois não só Aringarosa é na realidade um homem que age manipulado e em desespero, como a sua Opus Dei e a Igreja Católica são, no final, absolvidas de qualquer culpa. O verdadeiro responsável é Teabing, que «explorara o Vaticano e a Opus Dei, duas entidades que acabaram por revelar-se completamente inocentes» (sic).

A opinião de Langdon (aliás, Brown) relativamente ao Priorado do Sião também confirma a objectividade do Autor de O Código Da Vinci: «não tomo qualquer posição relativamente às acções do Priorado». Esta organização, por vezes conhecida como Ordem do Sião ou Ordem da Nossa Senhora do Sião, é uma sociedade secreta fundada em 1099 durante a Primeira Cruzada. Dan Brown fala de uma tripla tarefa do Priorado: proteger os documentos Sangreal, proteger o túmulo de Maria Madalena e manter a linhagem de Cristo, que subsiste através dos poucos descendentes Merovíngios que chegaram aos nossos dias e são os pretendentes legítimos do trono francês. Será este o grande segredo ciosamente conservado ao longo dos séculos pelos membros do Priorado e que poderia abalar os alicerces tanto do Estado como da Igreja? Mesmo admitindo que sim, existem à partida dificuldades de monta à prossecução dos objectivos políticos: não só pelo problema de transformar a França republicana na monarquia que foi rejeitada há mais de um século, mas também, e mesmo supondo que a dinastia Merovíngia pudesse ser provada, porque essa mesma dinastia não teria qualquer direito ao trono, já que a nação francesa não existia durante a era dos Merovíngios.

Para os cépticos, o Priorado existe apenas desde os anos 50 e é formado por um grupo de monárquicos sem poder efectivo e com a mania das grandezas. As dúvidas começam com a fonte primacial de informação a respeito desta organização, que consiste nos chamados Dossiers secrets: sete documentos depositados na Biblioteca Nacional de Paris entre 1964 e 1967, que contêm sobretudo registos concernentes ao mistério de Rennes-le-Château e à suposta obsessão Merovíngia da sociedade, cujos membros são descritos como «os apoiantes de todas as heresias […] passando pelos cátaros e os templários até à maçonaria» ou «agitadores secretos contra a Igreja». O mistério ainda mais se adensa quando olhamos para aquele que foi, até recentemente, o rosto visível do actual Priorado: Pierre Plantard (1920-2000). A sua biografia é tortuosa e tanto regista períodos de grandes dificuldades financeiras, como uma acção decisiva no curso da História europeia. Foi Plantard que, sob o pseudónimo de Capitão Way, esteve por detrás da organização dos Comités de Salvação Pública que promoveram o regresso ao poder em 1958 do General Charles De Gaulle – o qual viria depois a agradecer essa colaboração numa carta datada de 29 de Julho de 1958. Plantard, que nunca alegou ser descendente de Jesus, confessou em 1993 que tinha inventado o Priorado do Sião. Hoje, a organização está a cargo de Gino Sandri, que Motta descreve como «um pateta».

Muito antes de Plantard e Sandri, este Priorado teria contado com um Grão-Mestre particularmente ilustre: o grande Leonardo Da Vinci, cujo extraordinário fresco A Última Ceia ocupa um lugar central na trama do romance de Dan Brown. Porque Da Vinci não era um cristão e porque incluiu mensagens secretas nas suas obras, muitos têm tentado dar um sentido às aparentes anomalias desta sua pintura: a inexistência de um cálice ou uma taça de vinho, o que é estranho se considerarmos que este é o momento em que Jesus inicia o sacramento do pão e do vinho; a exiguidade de pão (que Jesus identificou com o seu próprio corpo) partido, que poderá ocultar alguma mensagem subtil sobre a verdadeira natureza do sofrimento de Cristo; a figura de João Baptista é na realidade a de uma mulher, cujos trajes reflectem o de Jesus, pois enquanto que um veste uma túnica azul e um manto vermelho, o outro veste uma túnica vermelha e um manto azul, de estilo idêntico; a forma de um M aberto que Jesus e esta mulher constituem em conjunto; ambos são ameaçados por um dedo em riste, embora pareçam alheios a essas ameaças e perdidos no mundo dos seus pensamentos; Judas, que se admite ter por modelo o próprio Leonardo, inclina-se e vira completamente as costas ao Redentor; e, finalmente, a célebre mão sem corpo que segura uma adaga. Muitas destas anomalias são, porém, facilmente explicáveis, se considerarmos que Leonardo representou a última ceia segundo São João: por isso, sem Eucaristia (daí que não exista cálice) e com o «discípulo amado». Curiosamente, Brown e os Autores em seu redor parecem ter menosprezado os escritos de Leonardo, que são um autêntico viveiro de mensagens codificadas e ocultistas.

A aldeia de Rennes-le-Château, que empresta o seu nome ao sítio de Motta, ocupa um lugar primacial neste drama (ou farsa…) do Priorado do Sião. Segundo a lenda, o padre François-Bérenger Saunière (1852-1917) fez uma descoberta extraordinária durante as obras de renovação da sua delapidada igreja paroquial do século X, que lhe permitiu enriquecer imensamente e financiar alguns investimentos estranhos. Diz-se que entre 1896 e a sua morte em 1917 terá gasto 23 milhões de francos; que tinha também contas bancárias em Paris, Perpignan, Toulouse e Budapeste e investiu fortemente em acções e títulos do Estado; que recebia faustosamente na sua Villa Béthanie os ricos e famosos, como a diva Emma Calvé, políticos e membros de famílias imperiais; e que na altura da sua morte, estava empenhado em novos e ambiciosos projectos que custariam no mínimo 8 milhões de francos, como uma estrada de acesso à aldeia ou uma torre com 70 metros de altura da qual pretendia chamar os fiéis à oração. A especulação tem variado, ao longo dos anos, quanto à verdadeira natureza da descoberta de Saunière: um segredo alquímico, a Arca da Aliança, o tesouro do templo de Jerusalém, o Santo Graal ou o próprio túmulo de Jesus. O Priorado afirma que Saunière descobriu pergaminhos contendo informação genealógica que prova a sobrevivência da dinastia merovíngia e que certos indivíduos têm direito a reclamar o trono de França, como Pierre Plantard. Contudo, ninguém à margem do Priorado viu esses pergaminhos e tudo o que conhecemos são cópias que, no dizer de Bernardo Motta, foram forjadas: aliás, Philippe Chérisey, associado de Plantard, admitiu ter sido o autor da falsificação.

Qual seria então a origem da fortuna de Saunière? Crê-se que o padre estava a ser pago do exterior por serviços que implicavam a sua estada em Rennes-le-Château e tudo indica que esse financiador fosse o próprio Priorado do Sião. O interesse da organização na localidade era antigo: para além do que consta dos Dossiers secrets, Plantard possuía terrenos na proximidade da aldeia e ali comprou um talhão do cemitério. Seja como for, o comportamento esquivo do padre demonstra que ele buscava alguma coisa que era suficientemente importante para justificar um grande secretismo: os demorados passeios pelas imediações, as viagens prolongadas e mais ou menos furtivas a locais afastados e as misteriosas escavações no cemitério local. Apesar do desagrado da população, Saunière começou a escavar no cemitério à noite e apagou as inscrições da pedra vertical e da placa que cobria a sepultura de Marie de Nègre d’Ables, uma mulher nobre da região falecida a 17 de Janeiro de 1781, presumivelmente para destruir a informação que ela continha.

Motta entende que não existe mistério nenhum em Rennes-le-Château e que Saunière ganhou o dinheiro apenas com o tráfico de missas. Esta é, todavia, uma explicação que suscita muitas dúvidas. A riqueza de Saunière parece ter sido adquirida subitamente: é apenas em 1891 que, de forma inusitada, começam os seus projectos ambiciosos e excentricidades e isto não se compadece muito com a explicação da venda das missas. As perplexidades prosseguem se nos questionarmos sobre como é que Saunière teria conseguido granjear um tão grande número de encomendas. Motta fala em anúncios publicados nos jornais, mas essa parece ser uma estratégia demasiado arriscada e que colocaria a trapaça à vista de toda a gente, mesmo contando com a protecção do bispo de Carcassonne, Félix-Arsène Billard. Finalmente, a alegada «indústria de missas» não explica a irregularidade dos ganhos de Saunière, que atravessou períodos financeiramente difíceis logo seguidos de gastos vultuosos. O mistério permanece, por isso, por resolver…

A imparcialidade de Dan Brown é corroborada não só por aquilo que escreve, mas também pelo seu silêncio, pois o romancista evitou cautelosamente muitas das teses mais controversas dos Autores que abordaram este mistério de Rennes-le-Château. A sua fonte de inspiração privilegiada, o best seller dos anos 80 O Sangue de Cristo e o Santo Graal, de Michael Baigent, Richard Leigh e Henry Lincoln, foi bem mais além em matéria de arrojo. Os três Autores, cuja simpatia pelas pretensões do Priorado do Sião é manifesta, esclarecem quais são as intenções do livro: «demonstrar que Jesus não morreu de facto crucificado, mas deu origem a uma linhagem que ainda hoje está entre nós. O seu objectivo não é desacreditar Jesus, mas pelo contrário dar-nos outra perspectiva, a seu ver mais completa, da sua figura como filho de Deus». Curiosamente, o moderno Priorado nunca confirmou nem desmentiu as conclusões de O Sangue de Cristo e o Santo Graal.

Ainda mais arrojadas são as investigações dos britânicos Lynn Picknett e Clive Prince, esses campeões das conclusões apressadas, cujo fascínio pelo Santo Sudário de Turim conduziu à investigação vertiginosa descrita em O Segredo dos Templários. Eis algumas das suas afirmações mais ousadas: Jesus não era o filho de Deus nem de religião judaica – embora, etnicamente, possa ter sido judeu – e seria provavelmente um adepto de magia egípcia; João Baptista não reconheceu Jesus como Messias, nomeou Simão, o Mago, como seu sucessor e viria posteriormente a ser assassinado, provavelmente a mando dos seguidores de Jesus; Maria Madalena era uma sacerdotisa companheira de Jesus num casamento sagrado e a natureza sexual da relação de ambos é atestada em muitos dos textos gnósticos, que a Igreja impediu que fossem incluídos no Novo Testamento.

Claro que tudo isto é especulativo e os Autores são suficientemente lúcidos para o acentuarem no seu livro, mas parecem dar uma no cravo e outra na ferradura quando falam dos «frutos amargos» que cresceram à sombra das ideias falsas a respeito das origens do cristianismo. Por exemplo, ao voltar as costas às suas raízes egípcias, a Igreja perdeu a compreensão fundamental do arquétipo da igualdade dos sexos, porque Ísis era sempre contrabalançada pelo seu consorte Osíris e vice-versa – um conceito que encorajava o respeito igualmente devido a homens e mulheres. Além disso, ao negar os seus antecedentes egípcios, a Igreja rejeitou também, e com especial violência, todo o conceito de sexo como sacramento, com consequências terríveis para a nossa cultura: repressão em grande escala e inumeráveis crimes contra as mulheres e crianças. Mais ainda: a crença de que o judaísmo e o cristianismo eram rivais conduziu a atrocidades regulares contra os judeus, sob a dupla acusação de responsabilidade pela morte de Jesus e recusa do seu messianismo. Também os pagãos foram vítimas preferenciais da hostilidade da Igreja, mas se Jesus fosse realmente pagão, então este fervor cristão seria não só uma nova negação da humanidade comum mas também dos princípios do seu fundador.

Para nós, portugueses, cristãos, católicos e cheios de medo do pecado, estas conclusões parecem inverosímeis e até fantasiosas, mas não será que a mesma coisa se poderia dizer das nossas crenças religiosas de sempre? O que a nossa Bíblia ensina é que Jesus foi o Filho de Deus e de uma Virgem, que encarnou como judeu, que João Baptista era o seu precursor e subordinado espiritual e que Maria Madalena foi uma mulher de reputação duvidosa que Jesus curou e converteu. Mas todo o estudo bíblico implica especulação e os Evangelhos são documentos vagos, ambíguos e muitas vezes contraditórios. No decurso dos últimos dois mil anos, as pessoas discutiram e até travaram guerras sobre o significado de determinadas passagens em particular. A própria existência histórica de Jesus já tem sido várias vezes posta em causa por escritores e investigadores.

O Concílio Vaticano II, na constituição Dei Verbum, responde a estas dúvidas com a defesa intransigente dos seus Evangelhos: «A santa mãe Igreja defendeu e defende firme e constantemente que estes quatro Evangelhos, cuja historicidade afirma sem hesitação, transmitem fielmente as coisas que Jesus, Filho de Deus, durante a sua vida terrena, realmente operou e ensinou para salvação eterna dos homens, até ao dia em que subiu ao céu (cf. Act. 1,1-2)».

O Novo Testamento deixa, todavia, por explicar a revelação (ou suposição) mais surpreendente e sumarenta do Código Da Vinci: o casamento de Jesus e Maria Madalena, do qual teria resultado uma filha. Quanto à misteriosa Madalena, a sua imagem de prostituta arrependida é falsa e não tem nada a ver com a sua história narrada nos Evangelhos de Mateus, Marcos, Lucas e João: a efabulação surgiu em 591 d.C., quando o papa Gregório, o Grande, proferiu um sermão na Páscoa em que declarou que a prostituta de Lucas 7 era a Maria Madalena de Lucas 8; porém, e porque não há razão alguma para fazer tal associação, o Vaticano corrigiu em 1969 essa deturpação. O seu papel na história de Jesus e dos discípulos poderá, na realidade, ser bem mais relevante do que tradicionalmente se julga. Como salienta Esther A. De Boer em Maria Madalena: uma sacerdotisa deusa?, incluído no livro Verdade ou Ficção?, Madalena foi a «única testemunha das três circunstâncias que, segundo São Paulo, constituem os fundamentos da fé cristã (1Cor15,3-4): a crucifixão, a sepultura e a ressurreição de Jesus». Os Evangelhos Gnósticos vão ainda mais longe e contam que Jesus concedeu a Madalena o título de Apóstola dos Apóstolos e de Mulher Que Conhece Tudo e afirmou que ela se ergueria acima de todos os outros discípulos e governaria o Reino da Luz, que estava prestes a chegar. Quanto ao casamento de Jesus e Madalena, Brown refere, por mais de uma vez, que ele «é um facto historicamente registado», o que é uma falsidade completa. Não há senão indícios desse casamento: os jovens judeus da época já deveriam estar casados quando completassem vinte anos de idade, era normal que todos os mestres tivessem uma esposa e as bodas de Caná poderão ser um encobrimento do casamento de Jesus.

O que é indiscutível é que a Igreja falhou em não dar à mulher o seu lugar de direito no ministério cristão. Isto sucede ao arrepio do que praticava a Igreja primitiva, pois os discípulos de Jesus também incluíam mulheres e Marcos refere pelo menos quatro delas: Maria Madalena, Maria, a mãe de Tiago, Maria, a mãe de José, e Salomé. Brown aponta o Concílio de Niceia em 325 d.C. como o grande momento de afastamento do Feminino e o critério da conformidade com a regra de fé, que fundamentou a exclusão dos Evangelhos Gnósticos, parece comprovar essa intenção de autodefesa do patriarcado. Os críticos contrapõem que não há provas de que os Evangelhos Gnósticos tenham sido discutidos e excluídos em Niceia, que apenas ratificou o que a Igreja já praticava até então. Contudo, uma descoberta muito importante foi feita em 1958 pelo Dr. Morton Smith na biblioteca de Mar Saba: uma carta de Clemente de Alexandria, sacerdote da igreja do século II, que continha fragmentos do chamado Evangelho Secreto de Marcos. Esta versão era muito semelhante à canónica, mas continha os ensinamentos esotéricos de Jesus, que não se destinavam a serem revelados aos cristãos comuns e foram por isso rasurados. Esta descoberta revela muito sobre os anos de formação da Igreja Católica e os métodos utilizados pelos padres da Igreja para instituírem o dogma cristão, pois ficou demonstrado que os textos eram editados e que mesmo obras reconhecidas como tendo valor igual aos Evangelhos canónicos eram negadas aos crentes comuns.

Como explicar o actual desprestígio do catolicismo e este interesse revigorado por Madalena, pelo gnosticismo e pelas questões do espírito? O teólogo Erwin Lutzer, no seu livro A fraude do Código Da Vinci, sugere uma análise interessante: «Hoje em dia, é notório que as pessoas procuram conectar-se ao mundo metafísico. Caminhe por uma livraria e verá muitas prateleiras dedicadas à busca espiritual. Temos livros e programas de televisão que falam sobre cura e espiritualidade, autoconhecimento e espiritualidade, e, lógico, sexo e espiritualidade. Existem muitos caminhos, e todos são convidados a escolher um caminho próprio para a realização pessoal. Milhões de pessoas que jamais ouviram falar da palavra gnosticismo são seguidoras das suas doutrinas básicas». Lutzer esqueceu-se, todavia, de referir um ponto importante: a proverbial intolerância da Igreja Católica relativamente à concorrência religiosa, que tanto contribui para o seu descrédito e que esteve na origem de alguns dos episódios sombrios da nossa História.

Um sintoma desta propensão totalitária da Igreja para o exclusivismo é a crença corrente entre muitos cristãos de que a sua fé não foi influenciada por qualquer outra filosofia ou religião. Novamente, Lutzer: «a fé cristã tem as suas raízes firmadas em factos históricos, não em mitologia. A igreja primitiva opunha-se ao paganismo de forma resoluta e fez todo o possível para garantir que a Igreja não adoptasse os seus mitos e práticas […] Embora muitas pessoas acreditem que todas as religiões do mundo são essencialmente a mesma coisa, existindo apenas diferenças superficiais, veremos que a verdade é justamente o oposto: o cristianismo é essencialmente distinto, sendo apenas superficialmente semelhante a outras religiões e filosofias. É na verdade algo bastante original».

Este entendimento parece ser discutível se considerarmos o lugar de onde Jesus iniciou a sua missão: a Galileia. A ideia corrente é que a Galileia pertencia à Palestina, a religião corrente da Palestina era o judaísmo e por isso todos os galileus deviam ter sido judeus, mas nada poderia estar mais errado. A Galileia da época era uma zona rica e fértil, com vastas associações comerciais com as outras culturas do mundo helenístico e que se encontrava no centro de uma rede de rotas comerciais que conduziam à Síria, Babilónia e Egipto. Era a pátria de gentes de muitas proveniências e as principais influências religiosas eram nativas, palestinianas, pagano-semitas, gregas, persas, fenícias e egípcias. Alguns elementos foram indiscutivelmente importados do paganismo, como a escolha do dia 25 de Dezembro para festejar o nascimento de Jesus. Já o reconhecimento da integração de outros aspectos pagãos parece ser mais controverso: afirma-se que Cristo nasceu num estábulo, à semelhança de Hórus; como Dionísio, transformou a água em vinho; como Esculápio, ressuscitou homens e deu vista aos cegos; como Átis e Adónis, foi chorado e festejado por mulheres; e como Mitra, ressuscitou de um túmulo na rocha.

11 comentários:

Afonso Henriques disse...

Por muito que a intelectualidade nacional o despreze, este "livro de aeroporto" ainda fará correr muita tinta.
Então quando Howard acabar o filme, não se falará de outra coisa durante muito tempo.

Flávio disse...

É verdade, Afonso Henriques! Não morro de amores pelo Ron Howard, mas este é um daqueles casos em que o 'source material' é tão incrível, que o filme não pode ser mau. Há meses, li que mais de 400 mil (!!) portugueses já tinham lido o livro, imagina agora onde não pára esse número...

Um grande abraço!

Bernardo Motta disse...

Caro Flávio,

Obrigado pelo destaque!
Segui com atenção os seus comentários. Mas gostaria de sublinhar, de entre várias coisas que discordo, uma que me parece ser particularmente incorrecta: parece que você dá demasiada credibilidade ao Priorado de Sião.
A história real é bem menos interessante do que a fantasia. A abadia de Notre Dame de Mont-Sion foi, de facto, fundada em Jerusalém por Godfroi de Bouillon, mas não tem nada a ver com o Priorado de Plantard, cujos únicos "traços" existentes são um punhado de documentos espúrios depositados na Biblioteca Nacional de Paris.
Não se fie na minha palavra. Procure outros sites, como por exemplo, o de Paul Smith, e sobretudo os sites franceses, onde poderá encontrar toneladas de material refutatório. Em França, as poucas dezenas de interessados pelo enigma de Rennes estão a rir-se há vários meses com a credulidade estrangeira para com o Priorado de Plantard. Sugiro as obras lúcidas de Pierre Jarnac, René Descadeillas, Jean-Jacques Bedu, Claire Corbu e Antoine Captier, Mario Arturo Iannaccone, e tantos, tantos outros, incluindo Jean-Luc Chaumeil e o próprio Gérard de Sède, tudo autores que já contribuiram abundantemente para explicar que o Priorado é uma invenção moderna de Pierre Plantard.
Cumprimentos

Flávio disse...

Obrigado pelo comentário, Bernardo Motta, e podes tratar-me por tu, que nós aqui na Bomba não nos pomos com cerimónias.

Em relação ao Priorado, como a todas as outras coisas neste mistério, procuro ser o mais cauteloso e objectivo possível. Não digo nem que sim, nem que não. E acrescento só três coisinhas:

a) A confissão em tribunal de Plantard não me parece tão relevante quanto isso, pois poderá ter sido apenas um expediente para se ver livre de problemas judiciais maiores.

b) Mesmo admitindo que houve uma grande farsa, o que é que Plantard lucrou com ela? Pelos vistos, nada.

c) Se a farsa do Priorado é assim tão evidente, poderá isso significar que o trio Baigent-Lincoln-Leigh mentiu (e mente ainda) descarada e deliberadamente?

Um abraço

Bernardo disse...

Flávio,

A confissão de Plantard vale o que vale. O interessante é ler, de facto, a documentação publicada pelo Priorado, e compará-la com uma série de material anterior, nomeadamente artigos da revista Atlantis, fundada por Paul Lecour, e com os romances de Maurice Leblanc, o criador de Arsène Lupin.
Plantard é o mais recente elemento de uma geração de mentes brilhantes, que com a sua vasta cultura e erudição, levaram a cabo uma potente guerra intelectual contra o catolicismo.
Que ganhou Plantard?
Ser o autor de uma das mais impressionantes farsas esotéricas da modernidade.
Também ganhou algum dinheiro, mas fundamentalmente, o que ganhou foi a notoriedade que lhe interessava ganhar em certos meios, e sobretudo, conseguir usar a farsa do Priorado como uma arma de arremesso contra o catolicismo.
Plantard era um católico arrependido, que desejava vingar-se do catolicismo.
Para terminar, sim, os autores do trio mentiram e omitiram informação aos leitores.
É incompreensível que o trio tenha omitido importantes obras sobre Rennes, como a obra do historiador de Carcassonne, René Descadeillas, que escreveu nos anos 70 aquela que ainda é uma obra de referência e rigor sobre o enigma de Rennes, chamada "Mythologie du Trésor de Rennes" (Editions Collot).
Porque fez o trio silêncio sobre esta obra que todos os interessados sobre Rennes já conheciam bem em França?
Mais...
Jean-Luc Chaumeil contactou directamente Henry Lincoln para lhe dizer que a informação proveniente de Plantard não era legítima, e que a obra do trio iria estar eivada de erros.
Porque escolheu Lincoln publicar a obra à mesma?
Flávio, não me leve a mal, mas tenho imensa informação que não está no site. Precisarei de mais alguns anos para que o meu site seja um dossiê completo.
Para além disso, há muita gente com bem mais documentação do que eu.
Contacto frequentemente com dois dos maiores proprietários de documentação sobre este tema: Paul Smith e Jean-Luc Chaumeil.
Li as obras fundamentais sobre o tema, e que só estão disponíveis em francês.
Admiro a sua postura céptica, e deverá ser céptico mesmo em relação ao que eu digo, porque mesmo sendo bem intencionado, eu cometo erros frequentemente (se tiver notado, ao ler a minha página de actualizações, pode ver quantas vezes me vejo obrigado a corrigir detalhes).
Por isso, mantenha a postura céptica, mas prepare-se para ter que despender mais um ou dois anos para se inteirar desta história, que é mesmo muito complexa.
A raíz da compreensão da burla do Priorado está no enigma de Rennes-le-Château. Por sua vez, a explicação para este enigma está na história oculta das guerras de bastidores entre a Igreja Católica em França e a maçonaria do Grande Oriente de França.
Pistas?
Procure informação sobre o grupo de frequentadores do "Le Chat Noir", em Paris, no final do século XIX.
Um abraço

Bernardo disse...

Para terminar, Flávio, e para que veja que eu não estou a inventar nada, leia este artigo de opinião de Massimo Introvigne, o conhecido sociólogo dos fenómenos religiosos, director do CESNUR:

http://www.cesnur.org/2005/mi_02_03d.htm

Verá, pelas palavras seguras de uma pessoa que está bem dentro do assunto, que Introvigne diz o mesmo que eu. Ou por outra, eu sustento a mesma opinião que Massimo Introvigne.

Flávio, eu não sou ninguém. Sou um mero interessado, que faz as vezes de tradutor do que se vai descobrindo lá fora, passando essa informação para português, e para a Internet.
Não faço parte de nenhum movimento, e ninguém está por detrás do meu trabalho. A minha única filiação é com a Igreja Católica.

Anónimo disse...

coitadinha de mim!

Flávio disse...

Caro Bernardo, aplaudo a tua fé e a defesa que fazes das tuas convicções religiosas. Tal como afirmas no teu sítio, não é fácil ser-se católico. Hoje, o que parece 'bem' e politicamente correcto é ser-se radical de esquerda e defender a legalização da heroína e outras excentricidades. Quanto mais não seja por isso, admiro o entusiasmo com que falas da tua religião (que é também a minha, embora eu não seja um homem de fé).

Não li The Messianic Legacy, mas não é preciso fazê-lo para ver que os três britânicos são claramente parciais, mesmo tendenciosos. Falaste de uma 'denúncia' da farsa de Plantard nessa sequela, o que me parece pouco sério da parte do trio de autores: endeusar o Plantard no primeiro livro, apenas para no segundo fazer a "revelação explosiva" de que ele afinal é uma fraude, parece-me uma estratégia de marketing muito duvidosa. Se não fosse assim, os autores deveriam ter advertido os leitores de Sangue Real no Prefácio de 1996, o que não fizeram.

Também o sítio do CESNUR, que oportunamente referiste, traz uma info interessante: o trio Baigent-Leigh-Lincoln parece querer processar Brown por plágio, o que, mais uma vez, indicia que o seu envolvimento não é desinteressado.

Um abraço

Flávio

Anónimo disse...

Excellent, love it!
» »

Anónimo disse...

Antes de mais quro felecitar o flavio pelo seu poste. eu como uma pessoa fascinada pelo codigo davinci gostei do poste e pelo debate dos seus comentadores. mas agora pregunto? sera que tudo isto nao sera verdade? nao sei pois e um tema muito contro verso,mas muito descotivel pelas partes envolvidas. mas a ser verdade como e que ficara a relegiao catolica.

Anónimo disse...

Best regards from NY! » »