2005-07-07

Cultura

As televisões portuguesas ainda não sabem o que é o jornalismo cultural. A TVI é, obviamente, a pior de todas, mas as outras também não se livram de críticas. O país está cheio de artistas talentosos e, não obstante, os horários nobres continuam entregues a futebolistas analfabetos e políticos. Actores, músicos, escritores e cineastas? Nem vê-los!

7 comentários:

Isabel Fernandes disse...

Não sei se é só o jornalismo cultural que as televisões portuguesas desconhecem ou se o jornalismo em si. Os jornalistas de hoje em dia chegam ao cúmulo de ser capazes de perguntar a uma mãe, cujo filho morreu tragicamente, como ela se sente!Pessoas que estão a estudar jornalismo ou já se formaram estão em forte risco de desemprego devido à saturação do mercado de trabalho, enquanto "profissionais" ou pessoas que passam de outra profissão a jornalistas tomam os seus lugares. Para além disso o mercado de trabalho na área de jornalismo centra-se sobretudo em Lisboa e no Porto, sendo o resto do país, como o Algarve, "discriminado". A guerra das audiências provocou um decréscimo de qualidade nas televisões portuguesas, não admira que muita gente adira à TV Cabo a ver se apanha programas melhores. Nos quatro canais repetem-se filmes, às vezes desrespeitam-se horários de programas e subaproiveitam-se boas séries estrangeiras. Os actores, músicos e cineastas estão em "lista de espera", e à velocidade com que as coisas correm neste país...bem podem esperar.

gonn1000 disse...

O mau jornalismo nem é tanto culpa dos jornalistas, mas das leis do "mercado" e dos que tendem a segui-las...Quanto à cultura, cada vez menos parece ser uma prioridade. Valham-nos os blogs e outros media alternativos :D

Vera disse...

Concordo plenamente com os dois comentários anteriores. Não é só do jornalismo cultural que se esquecem mas, muitas vezes, do próprio jornalismo. E essa negligência não é culpa dos jornalistas (que quase de certeza não era aquilo que queriam estar a fazer) mas das leis do mercado, como disse o Gonçalo (não é por acaso que a TVI tem aqueles shares absurdos ou que o Correio da Manhã é o jornal diário mais lido).
Quanto à cultura, é sempre a ovelha negra na comunicação. Fora os media especializados, que se devotam exclusivamente a ela, há depois, na comunicação generalista aqueles que escolhem ignorá-la e aqueles que, não a ignorando, não lhe dão mais do que os últimos 5 minutos do telejornal ou duas ou três páginas de uma revista (que, quando há um acontecimento maior, são logo as primeiras a cair).
É triste (sobretudo para quem quer seguir precisamente essa área - tocaste-me na ferida...) mas é algo que devemos tentar mudar.

maria disse...

É triste mas,ainda é mais porque as supostas leis do mercado criam um produto mau no convencimento de que é o que os telespectadores querem ver.

Anónimo disse...

Subscrevo inteiramente. E até tenho uma 'estoria ' para ilustrar o que disse que se passou com um canal de TV(não direi qual).Então foi assim:
Um dia sou convidada para um talk show, para interpretar dois numeros e uma entrevista de dez minutos.Eu aceitei pondo como condição escolher aquilo que queria cantar, dizendo também que não aceitaria falar da minha 'operação de reajustamento sexual' devido ao meu problema de hermafroditismo com que nasci.Disse-lhes que poderia falar disso um minuto, se tanto.De resto teria muito para falar-sobre as 'minhas causas', entre elas o meu engagement na Palestina, os poetas que gosto de cantar, Amália...etc.
Acabaram por dizer que isso não dava audiencias.Acabei por não ir ao programa. É que no HermnaSIC e no "As duas por tês " da SIC, eu já tinha no passado falado um pouco mais longamente desse problema que tive. Não achava que devesse repisar o assunto em detrimento de outras coisas muito mais interessantes. E eu (e com todo o respeito pelos palhaços de verdade, adoro a Teresa Ricou!). como não gosto de servir de palhaço no mau sentido...não aceitei.Fiquei assim sem poder apresentar um inedito do David Mourão Ferreira e uma canção que compus(letra e musica) intitulada 'Ai Palestina', que começava assim
"Intifada pedra sangue
De menino a lutar
Por Allah da Liberdade
Aguias mortas de pesar..."
O meu tributo singelo à causa palestiniana que cantei no Libano em 2004, tendo atrás de mim , no plasma, a tradução dos versos para árabe e Francês.
E assim vai a nossa televisão...

Valeria Mendez

Ana Marques disse...

Tudo isto é a realidade em que vivemos. As pessoas só se interessam ou por desgraças ou por fofocas! O que querem saber é com quem o Ronaldo saiu esta semana ou o novo carro do David Beckham. Mas como ofi dito, a culpa nem é totalmente da imprensa, mas sim das pessoas, da sociedade! Será que isso vai mudar?

musqueteira disse...

Viva flávio,
Pois é!...Totalmente verdade.
E anda, cada vez pior...(o dito tempo de antena desses senhores)!...