2006-03-15

Sim, Sr. Ministro


A série Sim, Sr. Ministro é um magnífico objecto de estudo para os especialistas da ciência política e da linguística. A política é um domínio da actividade humana que se socorre de uma linguagem muito particular, que visa não só a manipulação do público mas também a estruturação do pensamento dos próprios governantes. Veja-se o caso da guerra do Golfo: o discurso político foi abundante em metáforas do mundo empresarial, que banalizavam o conflito armado e amesquinhavam as suas sequelas humanas, económicas e ambientais. Algo de semelhante acontece com Sim, Sr. Ministro, já que a série retrata um verdadeiro ambiente de guerra: a máquina administrativa do Estado em conflito permanente com o ministro protagonista, cujas propostas, por mais razoáveis e lúcidas que sejam, encontram sempre as maiores resistências.

Uma das armas utilizadas pelos burocratas é precisamente o palavreado complexo, altamente técnico e muitas vezes indecifrável. Esta linguagem decorre do fenómeno que Max Weber designava por profissionalização: os funcionários que exercem o poder burocrático trabalham em regime de exclusividade, no sentido de serem especializados nas suas tarefas e apenas a elas se dedicarem. Ora, esses conhecimentos técnicos específicos fazem dos altos funcionários uma peça fundamental no processo de decisão política e o modo como eles transmitem as informações aos governantes pode condicionar fortemente as suas opções. O nosso ministro queixa-se muitas vezes desse estado de coisas: «das três vezes que dei ordens com palavras de uma só sílaba, recebi relatórios incompreensíveis que diziam exactamente o contrário daquilo que eu lhes tinha pedido para dizerem».

Outro dos traços característicos da linguagem de Sim, Sr. Ministro consiste na abundância do understatement. É uma figura de retórica caracteristicamente britânica, que suaviza a linguagem e torna a realidade menos tangível: a «intrujice» converte-se em «maleabilidade moral», o «encobrimento» em «discrição responsável» e a «greve» em «harmonia industrial». Um excelente exemplo pode ser encontrado no episódio A Visita de Estado:

«O Buranda é o que costumávamos chamar de País Subdesenvolvido. Contudo, esta designação foi universalmente considerada ofensiva. Daí passaram a Países em Vias de Desenvolvimento e mais tarde a Países Menos Desenvolvidos ou PMD. Estamos agora a preparar-nos para substituir PMD por PRRH: Países Ricos em Recursos Humanos. O que significa são mais que sobrepovoados e imploram por dinheiro […] O Buranda seria uma Nação Pré-rica: Pré-rica em petróleo que poderemos explorar dentro de alguns anos. Não é de forma alguma um PQA: um Paísito Qualquer de África.»

Ou seja, a linguagem permite tornear qualquer má consciência que eventualmente existisse relativamente aos países mais pobres de África. Mais uma vez, são os problemas dos políticos com a realidade das coisas.

Poderíamos ainda acrescentar a ironia (a expressão Sim, Sr. Ministro é profundamente irónica, pois é proferida pelos funcionários quando a vontade do governante já foi completamente subjugada), os jogos de palavras e outros brilharetes dos guionistas. Mas por mais inspirados que sejam os diálogos, os melhores momentos da série são silenciosos e estão ligados à linguagem corporal dos três magníficos actores que encabeçam o elenco. Uma troca de olhares, um estalar de dedos ou um sorriso afectado podem ganhar conotações inesperadas e fascinantes: por exemplo, quando o ministro protagonista sabe da sua ascensão a chefe do governo, leva napoleonicamente a mão à barriga, num gesto tão significativo e carregado de simbolismo como a entrée royale de Luís XIV em Paris.

10 comentários:

Casemiro dos Plásticos disse...

Grande serie, sem duvida alguma!!!:)

SAM disse...

é fora de serie sim senhor! E assustadoramente realista!
Volto a dizer a mesma frase de sempre " A Civilização é um desastre" !!

Abraço Libertário!
Sam

SAM disse...

Bom fim de semana Sr. Ministro!

Bom fim de semana aqui à malta bombista!

Abraço Libertário!

Sam ;-)

Flávio disse...

lol É realista, sem dúvida, amigo SAM. Num dos episódios, o ministro queixa-se de ter sido alvo de escutas telefónicas ilegais e fala do perigo da democracia, das garantias, etc. Faz-vos recordar alguma coisa? lol

Paulo J. Ribeiro disse...

Que saudades...

XANO1978 disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
XANO1978 disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
XANO1978 disse...

Um excelente texto, bem estruturado. Onde, estas palavras reflectem a realidade, hipócrita, dos nossos governantes.
Julgam que esta geração é de papalvos, mas enganam-se. Esta geração é, pela força negativas das circunstâncias do mercado livre, a geração mais culta, sobe todos os aspectos.

dermot disse...

Fez-me lembrar a famosa metáfora do grande Eça «o governo não pode cair porque não é um edifício. Sairá com benzina porque é uma nódoa».

Flávio disse...

O que é interessante na série é que o ministro não é mau nem estúpido - não é propriamente «uma nódoa». Pelo contrário, até é um protagonista simpático e bem intencionado. O problema é o chamado sistema, tão poderoso e enraizado que acaba por levar sempre a melhor.